Resumo: Diplomacia, de Kissinger – Capítulo 23 – A crise de Berlim

Em 1994, Henry Kissinger publicou o livro Diplomacia. Ele foi um acadêmico e diplomata renomado, tendo servido como Conselheiro de Segurança Nacional e Secretário de Estado dos Estados Unidos. Seu livro oferece um extenso panorama da história das questões internacionais e da arte da diplomacia, com foco particular no século XX e no mundo ocidental. Kissinger, conhecido por seu alinhamento com a escola realista das Relações Internacionais, trata dos conceitos de equilíbrio de poder, razão de Estado e Realpolitik em diferentes épocas.

Sua obra foi amplamente elogiada pelo seu alcance e pelo seu detalhismo. Todavia, ela também enfrentou críticas por seu foco em indivíduos em detrimento de forças estruturais, e por apresentar uma visão reducionista da história. Além disso, alguns críticos também alegaram que o livro se concentra excessivamente no papel individual de Kissinger nos eventos, potencialmente superestimando sua influência sobre eles. De qualquer forma, as ideias do livro merecem ser consideradas.

Este artigo apresenta um resumo das ideias de Kissinger no vigésimo terceiro capítulo de seu livro, cujo título é “O ultimato de Kruschev: A crise de Berlim, 1958-1963”.

Você pode encontrar todos os resumos disponíveis deste livro, ou você pode ler o resumo do capítulo anterior do livro, clicando nesses links.


Durante a Conferência de Potsdam, ficou acordado que Berlim seria controlada conjuntamente pelos Estados Unidos, Reino Unido, França e União Soviética, estabelecendo o cenário para o status único da cidade, separado da Alemanha Oriental ou Ocidental. Berlim foi dividida em setores administrados por cada um dos Aliados, criando uma anomalia geopolítica no interior da Alemanha Oriental. Essa configuração fez de Berlim Ocidental um farol de prosperidade ocidental e uma porta de entrada para os alemães orientais que desejavam fugir do regime comunista. A ausência de protocolos claros para o acesso a Berlim levou ao bloqueio soviético em 1948, que foi contornado pela ponte aérea ocidental, embora ambiguidades legais sobre o acesso persistissem.

O contínuo crescimento de Berlim como um centro industrial destacou sua vulnerabilidade; as ligações de transporte essenciais para sua sobrevivência eram facilmente interrompidas. O premiê soviético Nikita Khrushchev viu a posição precária de Berlim como um ponto estratégico de pressão contra o Ocidente. Suas ameaças públicas e manobras no final dos anos 1950 visavam acabar com a governança de quatro potências na cidade e pressionar o Ocidente a negociar, legitimando o governo da Alemanha Oriental.

Apesar das esperanças ocidentais de uma mudança soviética em direção à coexistência pacífica, as ações de Khrushchev, como o lançamento do Sputnik, sugeriram uma vantagem soviética na Guerra Fria. Ele previu audaciosamente a superioridade do sistema socialista e iniciou ofensivas diplomáticas para explorar vulnerabilidades ocidentais percebidas. As exigências de Khrushchev por um novo status para Berlim e Alemanha Oriental em 1958 foram um desafio direto às políticas ocidentais, ameaçando entregar o controle do acesso à Alemanha Oriental.

A crise de Berlim testou o compromisso do chanceler da Alemanha Ocidental, Konrad Adenauer, de alinhar-se com o Ocidente contra tendências neutralistas dentro da Alemanha. Adenauer acreditava que qualquer reconhecimento da Alemanha Oriental minaria a posição política e estratégica da República Federal. Ele via o ultimato de Khrushchev como uma tentativa de isolar a Alemanha Ocidental e forçá-la a negociações desvantajosas que manteriam o status quo ou fortaleceriam a Alemanha Oriental à custa da unificação alemã.

Em essência, Adenauer resistiu a qualquer mudança que enfraquecesse os laços da Alemanha Ocidental com o Ocidente e argumentou por uma estratégia de negociação que demonstrasse os benefícios do alinhamento ocidental. Ele era veementemente contra concessões em resposta às pressões soviéticas, defendendo uma postura firme que priorizava eleições livres e uma aliança ocidental forte na formação do futuro da Alemanha.

A insistência do chanceler Konrad Adenauer na importância de Berlim e seus receios sobre a reunificação alemã não foram universalmente aceitos entre seus aliados ocidentais, especialmente na Grã-Bretanha. O primeiro-ministro Harold Macmillan e o povo britânico hesitavam em se envolver em conflitos potencialmente desastrosos por Berlim, uma cidade devastada pela guerra e símbolo da agressão alemã passada. A Grã-Bretanha, tendo sido arrastada duas vezes para conflitos globais iniciados pela Alemanha, priorizava sua aliança com os Estados Unidos em detrimento dos compromissos europeus. Consequentemente, os oficiais britânicos viam as preocupações de Adenauer como uma exibição exagerada de nacionalismo, em vez de cálculos estratégicos genuínos.

Em contraste com a postura cautelosa da Grã-Bretanha, o presidente Eisenhower carregava a pesada responsabilidade de decidir se os EUA se envolveriam em uma guerra nuclear por Berlim. A chegada das armas nucleares inicialmente ofereceu aos EUA uma vantagem estratégica incomparável. Entretanto, à medida que a União Soviética desenvolveu suas capacidades nucleares, o potencial de destruição mútua limitou as opções estratégicas americanas. A doutrina da retaliação maciça, embora eficaz na teoria, perdeu credibilidade à medida que ambas as superpotências alcançaram paridade nuclear. O potencial de perda catastrófica de vidas em um conflito nuclear tornou posturas militares agressivas insustentáveis, levando a um impasse diplomático.

A abordagem de Eisenhower durante a crise de Berlim refletiu uma preferência por acalmar os medos domésticos em vez de adotar uma postura agressiva. Suas declarações públicas minimizavam a probabilidade de conflito militar por Berlim, enfatizando uma resolução diplomática e rejeitando o uso de força nuclear. Essa postura foi influenciada em parte pela crença de que Khrushchev, apesar de suas bravatas, estava focado principalmente em questões domésticas e buscava coexistência para permitir reformas econômicas dentro da União Soviética.

O presidente francês Charles de Gaulle, tendo recentemente retornado ao poder, não compartilhava da perspectiva anglo-americana. De Gaulle via a crise de Berlim como uma oportunidade para fortalecer o vínculo da França com a Alemanha Ocidental e posicionar a França como um ator central na política europeia. Ao contrário de seus colegas, de Gaulle desprezava a utilidade de negociações que pareciam acomodar as demandas soviéticas sem benefícios reais para o Ocidente. Ele argumentava que os desafios soviéticos não se tratavam de queixas específicas, mas refletiam fraquezas sistêmicas mais profundas dentro da União Soviética. De Gaulle acreditava que acomodar as demandas soviéticas apenas encorajaria suas aventuras na política externa e potencialmente levaria a Alemanha a buscar soluções no Oriente, minando a unidade ocidental.

A estratégia de de Gaulle foi moldada por uma política tradicional francesa que visava evitar uma Alemanha unificada e poderosa, uma política que dominou as relações exteriores francesas por séculos. Todavia, sua posição durante a crise de Berlim indicou uma mudança em direção ao engajamento com a Alemanha como um parceiro estratégico em vez de um adversário histórico, refletindo uma interação complexa de estratégia diplomática e interesse nacional. Essa postura permitiu a de Gaulle a liberdade de defender uma resistência firme às demandas soviéticas, posicionando a França como uma força decisiva e independente dentro da aliança ocidental.

O compromisso de Charles de Gaulle com a amizade franco-alemã não foi uma mudança repentina de opinião, mas uma mudança estratégica que refletia o cenário geopolítico em mudança após a Segunda Guerra Mundial. Historicamente, a França buscava manter a Alemanha dividida ou fraca, uma postura necessitada pelas ameaças repetidas que a Alemanha representava para a estabilidade europeia. A devastação das guerras mundiais e a nova realidade de uma Europa Oriental dominada pelos soviéticos forçaram de Gaulle a reconsiderar a política de longa data da França em relação à Alemanha. Vendo a futilidade no antagonismo, de Gaulle procurou garantir o futuro da França através de uma parceria com a Alemanha, apostando que uma aliança forte poderia gerenciar melhor os assuntos europeus e contrabalançar a influência soviética.

De Gaulle usou a crise de Berlim para afirmar o papel da França como protetora da identidade europeia e alinhar-se de perto com os interesses alemães, sem encorajar uma abordagem independente alemã que pudesse se alinhar com os interesses soviéticos. Ele propôs que a França apoiaria a unificação alemã e reconheceria as forças militares e econômicas da Alemanha, em troca de a Alemanha reconhecer a França como a líder política na Europa. Este foi um movimento calculado para fortalecer a Europa sob a liderança francesa, em vez de um compromisso emocional com a unidade alemã.

Enquanto isso, o secretário de Estado americano John Foster Dulles procurava gerenciar as tensões crescentes através de complexidades legais e manobras táticas, reminiscentes de sua abordagem durante a crise de Suez. Dulles explorou ajustes sutis nos procedimentos de acesso a Berlim sem ceder terreno substancial. Ele sugeriu que oficiais da Alemanha Oriental poderiam atuar como agentes para os soviéticos, mantendo a fachada de controle soviético enquanto interagiam com funcionários menos controversos da RDA. As propostas de Dulles tinham a intenção de difundir a situação sem alterar a postura fundamental dos EUA sobre a unificação alemã, mas levantaram preocupações entre os líderes alemães, particularmente Willy Brandt e Konrad Adenauer, que viam tais sugestões como minando o objetivo da reunificação alemã através do apoio ocidental e eleições livres.

As diferentes perspectivas entre os Aliados tornaram-se evidentes à medida que Adenauer resistiu às insinuações de Dulles sobre caminhos alternativos para a unificação, temendo que levariam a um enfraquecimento do compromisso ocidental com uma Alemanha reunificada baseada em princípios democráticos. A resposta alemã às explorações de Dulles sublinhou as profundas apreensões sobre qualquer mudança de política que pudesse fortalecer o regime da Alemanha Oriental ou acomodar as demandas soviéticas.

A crise sublinhou a complexa interação de estratégias nacionais, com o primeiro-ministro britânico Harold Macmillan buscando negociações para evitar conflito, enquanto Eisenhower e Dulles navegavam na resposta americana, equilibrando entre o engajamento diplomático e a manutenção de uma postura firme contra as demandas soviéticas. As conversas exploratórias unilaterais de Macmillan em Moscou refletiram uma disposição para discutir concessões potenciais, um movimento que parecia validar as percepções soviéticas de fraqueza ocidental.

A abordagem flutuante de Khrushchev ao ultimato de Berlim, marcada por bravatas e conciliações intermitentes, espelhava as contradições internas dentro da liderança soviética e prenunciava a indecisão sistêmica que mais tarde caracterizaria a União Soviética. Seu fracasso em pressionar suas demandas ou em se engajar em negociações significativas deixou a crise sem solução, comprando inadvertidamente tempo para o Ocidente se reagrupar e reavaliar suas estratégias sem fazer concessões irreversíveis. Esse período de inação e negociação exemplificou as dinâmicas complexas da diplomacia da Guerra Fria, onde blefes, ameaças e a busca por saídas diplomáticas moldaram as interações entre as superpotências e seus aliados europeus.

A visita de 1959 do líder soviético Nikita Khrushchev aos Estados Unidos foi marcada por um alto nível de entusiasmo público, reminiscentes da boa vontade durante a Cúpula de Genebra de 1955. A visita, destacando intercâmbios culturais e cooperação científica, foi amplamente vista como um sucesso, apesar da falta de progresso em questões críticas como Berlim. Isso sublinhou uma crença americana prevalente de que os conflitos internacionais decorrem de mal-entendidos, em vez de diferenças fundamentais nos interesses nacionais. Muitos americanos esperavam que a exposição de Khrushchev à cultura e aos valores dos EUA suavizasse sua postura em relação ao Ocidente.

Apesar da reação pública otimista, as questões geopolíticas substanciais, particularmente o status de Berlim, permaneceram sem solução. O presidente Dwight D. Eisenhower manteve sua posição de que a situação de Berlim precisava de uma resolução pacífica, possivelmente envolvendo a cidade se tornando uma “cidade livre” desmilitarizada e garantida pela ONU, integrada à Alemanha Ocidental. No entanto, Khrushchev não buscou nenhuma discussão substantiva sobre essas propostas, permitindo que os aliados ocidentais ganhassem tempo por padrão.

O subsequente adiamento da abordagem da questão de Berlim continuou com planos para uma cúpula em Paris em maio de 1960, que acabou colapsando após o incidente do avião espião U-2. Este evento forneceu a Khrushchev um pretexto para desviar a cúpula, frustrando discussões que poderiam ter incluído as ideias de Eisenhower sobre o status de Berlim. A reação de Khrushchev ao incidente do U-2 destacou sua preferência por confronto retórico em vez de conflito real, um padrão que se repetiu ao longo de seu manejo da crise de Berlim.

À medida que a situação em Berlim se estabilizou temporariamente, a atenção global se voltou para a falhada invasão da Baía dos Porcos e a hesitação dos EUA no Laos, o que parecia confirmar a Khrushchev que o novo presidente dos EUA, John F. Kennedy, poderia ser pressionado. Isso levou a uma renovada intensidade na Guerra Fria, com Khrushchev estabelecendo outro prazo para resolver a questão alemã e flexionando o poder militar soviético ao retomar testes nucleares.

A construção do Muro de Berlim em agosto de 1961 simbolizou dramaticamente a divisão da Europa e as tensões da Guerra Fria. O muro, construído da noite para o dia, dividiu física e ideologicamente Berlim, aprisionando os alemães orientais em um regime comunista caracterizado por uma repressão severa. A resposta comedida da administração Kennedy à construção do muro, enfatizando a contenção estratégica sobre a confrontação militar, refletiu os cálculos complexos da diplomacia da Guerra Fria. Kennedy aumentou a prontidão militar dos EUA, mas evitou um engajamento militar direto por Berlim, focando em objetivos estratégicos mais amplos.

A abordagem de Kennedy a Berlim e à Guerra Fria diferiu significativamente da de Eisenhower. Enquanto Eisenhower buscava gerenciar e conter a expansão soviética, Kennedy procurava uma resolução mais transformadora para a rivalidade soviético-americana, visando abordar diretamente as questões subjacentes através de negociações. Esta mudança em direção ao engajamento direto com a União Soviética marcou uma mudança significativa na política externa dos EUA, afastando-se da dependência de negociações multilaterais para uma abordagem unilateral mais direta que priorizava o diálogo direto com a liderança soviética.

Na Era Nuclear, tanto os Estados Unidos quanto a União Soviética enfrentavam um dilema único: seus arsenais nucleares eram suficientes para garantir a sobrevivência mútua, mas essas armas não eram adequadas para alcançar objetivos diplomáticos específicos sem incorrer em riscos inaceitáveis. O potencial de consequências catastróficas tornava mesmo um risco mínimo de conflito nuclear intolerável, essencialmente paralisando ambos os lados de usar seu poderio militar para efetuar mudanças diplomáticas. Este impasse foi evidente durante a administração Kennedy, que se viu incapaz de romper o impasse com a União Soviética através de meios diplomáticos sem enfraquecer a aliança da OTAN ou fazer concessões que pareciam insuficientes para os linha-duras soviéticos.

Em meio a esses desafios, a Casa Branca procurou navegar por um caminho que pudesse, possivelmente, acomodar algumas das demandas de Khrushchev sem comprometer os interesses estratégicos ocidentais. Esse esforço, contudo, custou a ganhar tração, já que ambos os lados pareciam presos em suas posições. Os EUA sugeriram ideias como reconhecer a RDA e outras demandas soviéticas, mas essas propostas careciam de um benefício claro de retorno, tornando-as difíceis de justificar nacional e internacionalmente.

Este período marcou um esfriamento das relações entre Washington e Bonn, com os EUA instando cada vez mais a Alemanha Ocidental a reconhecer a realidade de dois estados alemães — uma posição que criou tensão significativa com o chanceler Konrad Adenauer. Os EUA estavam em um dilema: não podiam se dar ao luxo de ir à guerra por Berlim, pois os riscos eram grandes demais, nem podiam impor uma política à Alemanha que pudesse fragmentar a aliança ocidental.

Durante esse tempo, servi como consultor do Conselho de Segurança Nacional, observando as dinâmicas intrincadas e as estratégias muitas vezes conflitantes dentro da Casa Branca. Tradicionalistas como Dean Acheson resistiam a qualquer negociação que parecesse acomodar as demandas soviéticas, preferindo uma abordagem mais firme. Enquanto isso, eu defendia uma liderança americana proativa na elaboração de um plano futuro para a Alemanha para evitar ser reativo às movimentações soviéticas e manter a coesão da aliança.

Meu envolvimento com o chanceler Adenauer durante esse período sublinhou a profunda desconfiança que se desenvolveu entre os EUA e a Alemanha. Apesar das tensões, o compromisso de Adenauer com a liderança principista era evidente. Ele valorizava a confidencialidade das discussões, particularmente em relação a assuntos sensíveis como a estratégia nuclear, que foi enfatizada quando ele garantiu que todos os registros de um briefing particular fossem destruídos para manter a integridade das promessas feitas.

Essas experiências durante a administração Kennedy destacaram as complexidades da diplomacia da Guerra Fria, onde a dissuasão nuclear paradoxalmente restringia e necessitava de negociações diplomáticas, preparando o cenário para um equilíbrio de poder tenso e precário.

Em abril de 1962, o atrito entre os Estados Unidos e a Alemanha havia escalado significativamente. Uma proposta americana vazada para uma Autoridade Internacional de Acesso, destinada a gerenciar o tráfego de e para Berlim, causou controvérsia. Este plano, envolvendo representação igual de partidos ocidentais e comunistas e países neutros potencialmente influenciados pela União Soviética, foi visto pelo chanceler Konrad Adenauer como uma ameaça ao status delicado de Berlim e uma minação do compromisso ocidental com a Alemanha. Adenauer estava particularmente preocupado que o equilíbrio de poder dentro desta autoridade proposta poderia levar a decisões influenciadas pelos membros alinhados aos soviéticos e pelos neutros, em vez de uma postura firme ocidental.

Em um movimento ousado, Adenauer criticou publicamente esta iniciativa americana, questionando a neutralidade e o papel de decisão da Suécia, Áustria e Suíça na gestão do acesso a Berlim. Ele sublinhou sua desaprovação destacando sua desaprovação mais ampla das prioridades da política externa dos EUA, particularmente a ênfase na ajuda ao desenvolvimento às custas dos interesses alemães na Alemanha Oriental. Essas discordâncias agudas culminaram em uma rejeição pública da proposta da Autoridade de Acesso, enfatizando as severas reservas de Adenauer sobre suas implicações para a soberania alemã e a segurança de Berlim.

À medida que as tensões aumentavam, o presidente Kennedy continuou a explorar a estrutura da autoridade de acesso como uma ferramenta diplomática nas discussões com o embaixador soviético Anatoly Dobrynin, apesar da clara oposição de Adenauer. Esta exploração insinuava uma disposição para desafiar as posições alemãs em questões-chave, potencialmente tensionando a Aliança Atlântica. Khrushchev, observando esses desenvolvimentos, poderia ter antecipado uma ruptura dentro da Aliança que poderia ser explorada para vantagem soviética.

Entretanto, a decisão de Khrushchev de implantar mísseis em Cuba em 1962 mudou dramaticamente o foco internacional. Esta aposta saiu pela culatra, pois a resposta resoluta de Kennedy não só forçou a retirada dos mísseis, mas também enfraqueceu significativamente a posição de Khrushchev nas negociações sobre Berlim. No início de 1963, Khrushchev declarou que a eficácia do Muro de Berlim em conter a emigração da Alemanha Oriental tornava desnecessário um tratado de paz separado, encerrando efetivamente a crise imediata de Berlim. Isso marcou um recuo de suas estratégias agressivas anteriores, tendo falhado em alavancar suas manobras cubanas para uma posição de negociação mais forte sobre Berlim.

A crise de Berlim destacou as limitações inerentes da diplomacia nuclear. Ambos os lados enfrentavam as perigosas implicações de uma guerra nuclear, que sufocava estratégias mais agressivas. Os erros de Khrushchev em Berlim e Cuba, no final das contas, reforçaram a divisão da Europa em esferas ocidentais e soviéticas, um status quo que permaneceu amplamente inquestionável até o fim da Guerra Fria. A liderança soviética, repreendida pelos resultados das crises de Berlim e dos mísseis em Cuba, evitou confrontos diretos com os Estados Unidos, voltando-se em vez disso para o apoio a guerras de libertação nacional como um meio de estender sua influência.

O eventual reconhecimento da Alemanha Oriental pelo Ocidente, culminando no Acordo de Quadripartite de 1971, foi alcançado através de negociações que confirmaram procedimentos de acesso rigorosos a Berlim e reafirmaram seu status de quatro potências, sem que a União Soviética ganhasse a vantagem. Essa abordagem constante sublinhou a eficácia da contenção como uma política estratégica de longo prazo, contribuindo para a eventual queda do Muro de Berlim e a reunificação alemã em 1989.


Você pode ler o resumo do próximo capítulo do livro clicando nesse link.


Posted

in

Comentários

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *