Resumo: Diplomacia, de Kissinger – Capítulo 21 – A crise de Suez

Em 1994, Henry Kissinger publicou o livro Diplomacia. Ele foi um acadêmico e diplomata renomado, tendo servido como Conselheiro de Segurança Nacional e Secretário de Estado dos Estados Unidos. Seu livro oferece um extenso panorama da história das questões internacionais e da arte da diplomacia, com foco particular no século XX e no mundo ocidental. Kissinger, conhecido por seu alinhamento com a escola realista das Relações Internacionais, trata dos conceitos de equilíbrio de poder, razão de Estado e Realpolitik em diferentes épocas.

Sua obra foi amplamente elogiada pelo seu alcance e pelo seu detalhismo. Todavia, ela também enfrentou críticas por seu foco em indivíduos em detrimento de forças estruturais, e por apresentar uma visão reducionista da história. Além disso, alguns críticos também alegaram que o livro se concentra excessivamente no papel individual de Kissinger nos eventos, potencialmente superestimando sua influência sobre eles. De qualquer forma, as ideias do livro merecem ser consideradas.

Este artigo apresenta um resumo das ideias de Kissinger no vigésimo primeiro capítulo de seu livro, cujo título é “Alternando a contenção: A crise de Suez”.

Você pode encontrar todos os resumos disponíveis deste livro, ou você pode ler o resumo do capítulo anterior do livro, clicando nesses links.


A retórica de coexistência pacífica promovida na Cúpula de Genebra de 1955 pouco fez para amenizar as tensões subjacentes entre os Estados Unidos e a União Soviética. Ambas as superpotências permaneceram emaranhadas em uma luta global por influência, onde qualquer avanço de uma era visto como um retrocesso para a outra. Enquanto a Europa experimentava um período de estabilidade relativa, graças aos compromissos militares americanos que contiveram as ações soviéticas, esse equilíbrio não se estendia globalmente. Pouco depois da cúpula, a União Soviética, sob a liderança de Khrushchev, garantiu uma posição significativa no Oriente Médio trocando armas por algodão egípcio. Esse audacioso movimento contornou o buffer protetor que os EUA haviam estabelecido ao redor das fronteiras soviéticas, representando um desafio direto à dominação americana na região.

Stálin, ao contrário de Khrushchev, hesitava em estender a influência soviética ao mundo em desenvolvimento, considerando essas regiões muito remotas e voláteis. O Oriente Médio, até o final dos anos 1940, era amplamente considerado um domínio dominado pelos interesses britânicos e americanos. No entanto, o acordo de armas de 1955 dos soviéticos marcou uma virada estratégica que inflamou o nacionalismo árabe, escalou o conflito árabe-israelense e minou significativamente a dominação ocidental, levando à erosão da estatura britânica e francesa após a Crise de Suez. Os Estados Unidos se viram cada vez mais isolados ao sustentar a influência ocidental fora da Europa.

A estratégia de Khrushchev começou cautelosamente, com a venda de armas inicialmente disfarçada como uma transação por meio da Tchecoslováquia. Esse movimento pressionou significativamente a Grã-Bretanha, cujos interesses imperiais no Oriente Médio, particularmente em torno do estratégico Canal de Suez, eram cruciais para o seu fornecimento de petróleo. A influência britânica na região já estava diminuindo, como visto quando o primeiro-ministro iraniano Mossadegh nacionalizou a indústria do petróleo em 1951, levando os EUA a orquestrar um golpe em 1953, encerrando assim a presença militar britânica direta no Irã. Da mesma forma, no Egito, os sentimentos nacionalistas liderados pelo Coronel Gamal Abdel Nasser resultaram na derrubada do Rei Farouk e apresentaram um desafio crescente às bases militares britânicas remanescentes.

Nasser, um líder carismático movido pelo nacionalismo árabe e um profundo ressentimento em relação ao colonialismo ocidental, rapidamente se tornou uma figura central. Suas políticas refletiram uma tendência mais ampla de sentimentos anticoloniais na região, desafiando tanto a dominação histórica britânica quanto as tentativas americanas de integrar o Egito em sua estratégia da Guerra Fria. Os EUA, ao se distanciarem de legados coloniais, falharam em se alinhar às aspirações das nações recém-independentes cujos líderes, frequentemente autoritários e não comprometidos com ideais democráticos, viam a rivalidade das superpotências como uma oportunidade para garantir maior autonomia.

Apesar dos esforços americanos para se opor à expansão soviética através de medidas de segurança coletiva, sua influência no Oriente Médio era limitada. Muitos líderes regionais, incluindo Nasser, aproveitaram o apoio soviético para negociar melhores termos com o Ocidente sem se comprometerem totalmente com nenhum dos lados. Os EUA e a Grã-Bretanha, mal interpretando as motivações de Nasser e subestimando sua determinação, perseguiram políticas que buscavam aplacá-lo, apenas para descobrir que seus esforços eram contraproducentes. Nasser continuou a fortalecer laços com os soviéticos, melhorando assim sua posição negociadora.

Finalmente, a contínua interação dessas dinâmicas destacou as complexidades da política do Oriente Médio, onde as potências ocidentais frequentemente encontravam suas políticas frustradas pelas realidades locais e estratégias soviéticas. A Grã-Bretanha, reconhecendo sua capacidade diminuída, negociou a retirada de suas forças da Zona do Canal de Suez em 1956 sob pressão americana, marcando o fim de sua presença militar importante na região. Esse período demonstrou uma mudança crucial na dinâmica do poder global, onde as antigas potências coloniais recuaram, dando lugar a uma nova era de confrontos da Guerra Fria e ao surgimento de movimentos não alinhados.

A política externa americana em meados do século 20 foi marcada por esforços para desmantelar o imperialismo britânico enquanto aproveitava a influência britânica remanescente para estabelecer uma estrutura de segurança no Oriente Médio visando conter a expansão soviética. Essa estratégia levou à criação do “Cinturão do Norte”, uma aliança destinada a servir como contraparte do Oriente Médio à OTAN, composta por Turquia, Iraque, Síria e Paquistão, com possível envolvimento futuro do Irã. No entanto, essa iniciativa vacilou, enfrentando desafios intrínsecos devido a divisões regionais e falta de percepção de ameaça unificada entre seus membros. O Pacto de Bagdá, uma aliança patrocinada pelos britânicos dentro dessa estrutura, sofreu com a participação limitada e comprometimento, pois os estados membros estavam mais preocupados com questões domésticas e regionais do que com uma ameaça soviética.

Na tentativa de minar a influência da União Soviética e contrariar o apelo do nacionalismo árabe radical liderado pelo Nasser do Egito, os Estados Unidos e a Grã-Bretanha procuraram atrair o Egito com incentivos econômicos e diplomáticos. Suas estratégias incluíram promover uma paz árabe-israelense e financiar o massivo projeto da Barragem de Aswan. Os esforços de paz fracassaram, pois os estados árabes, alimentados pelo ressentimento persistente sobre o estabelecimento de Israel e as circunstâncias de sua fundação, não estavam inclinados à reconciliação. Enquanto isso, as demandas de Nasser durante as negociações de paz, que incluíam concessões territoriais significativas de Israel, eram insustentáveis, garantindo a continuação do impasse.

Concomitantemente, a Barragem de Aswan representou um grande empreendimento, simbolizando o compromisso ocidental com o desenvolvimento egípcio. Inicialmente, tanto a Grã-Bretanha quanto os Estados Unidos esperavam que o apoio à barragem desviasse o Egito da influência soviética e em direção ao Ocidente. No entanto, essa estratégia se voltou contra eles, pois Nasser usou o projeto para aumentar seu poder de barganha, jogando as superpotências uma contra a outra para extrair benefícios máximos. Essa manobra atingiu seu ápice quando os EUA retiraram abruptamente seu financiamento para a barragem após o reconhecimento diplomático do Egito pela China Comunista, uma medida que o Secretário de Estado Dulles viu como uma traição.

Essa retirada marcou um ponto de virada crítico, pois Nasser respondeu nacionalizando o Canal de Suez, enquadrando esse ato como uma posição definitiva contra o imperialismo ocidental e uma afirmação da soberania egípcia. Essa ação, anunciada durante um discurso dramático em Alexandria, não foi apenas uma resposta à retirada do apoio americano à Barragem de Aswan, mas também uma afirmação mais ampla do nacionalismo árabe e da resistência contra a influência ocidental. A movimentação de Nasser para o Canal de Suez, simbolicamente carregada pela menção a Ferdinand de Lesseps, o engenheiro francês por trás da construção do canal, significou um momento crucial na luta pelo controle do Oriente Médio, criando as condições para a Crise de Suez, um conflito geopolítico que alteraria ainda mais o equilíbrio de poder na região.

À medida que a Crise de Suez se desenrolava, as profundas diferenças entre as democracias ocidentais tornavam-se flagrantemente aparentes, influenciando suas reações e complicando suas estratégias. Anthony Eden, agora Primeiro Ministro da Grã-Bretanha, percebeu-se temperamentalmente e fisicamente mal equipado para lidar com as pressões da liderança, especialmente após uma grande operação e dadas suas aspirações de longa data de manter a supremacia britânica no Oriente Médio. A França, sob o Primeiro Ministro Guy Mollet, compartilhava a hostilidade de Eden em relação a Nasser, impulsionada pelos próprios interesses coloniais da França no Norte da África e preocupações com o apoio de Nasser aos movimentos de independência lá.

Tanto a Grã-Bretanha quanto a França viam as ações de Nasser sob a ótica do apaziguamento, recordando as falhas da era pré-Segunda Guerra Mundial. Essa perspectiva endureceu sua resolução contra qualquer forma de compromisso com Nasser, especialmente depois que ele nacionalizou o Canal de Suez, o qual percebiam como uma ameaça direta à sua influência e controle sobre uma via navegável internacional crucial. Em resposta, Eden e Mollet estavam preparados para tomar medidas drásticas, até mesmo ação militar, para contrariar os movimentos de Nasser.

John Foster Dulles, o Secretário de Estado dos EUA, inicialmente parecia alinhar-se à posição britânica e francesa quando chegou a Londres para consultas. Ele defendeu uma conferência internacional para abordar a operação do canal, esperando isolar Nasser diplomaticamente e preparar o terreno para uma possível ação militar, se necessário. No entanto, a diplomacia subsequente revelou uma falta de unidade entre os aliados. Enquanto Grã-Bretanha e França estavam focadas em derrotar Nasser para reverter ao status quo pré-Nasser, a administração Eisenhower nos EUA estava mais preocupada com as implicações mais amplas para as relações ocidentais com o mundo árabe e os riscos de exacerbar o nacionalismo árabe.

As abordagens divergentes destacaram erros de julgamento fundamentais: a Grã-Bretanha e a França subestimaram a profundidade do sentimento nacionalista na região, enquanto os EUA superestimaram o potencial para se alinhar com outros líderes nacionalistas em um arranjo de segurança semelhante à OTAN. A crise expôs as limitações de uma estratégia que não levava em conta as mudanças irreversíveis na política do Oriente Médio marcadas pelo nacionalismo crescente.

A abordagem dos EUA, conduzida por Dulles, tratava o canal principalmente como uma questão legal e diplomática, focando em manter a livre passagem em vez de confrontar diretamente a autoridade de Nasser. Essa postura levou a tensões com a Grã-Bretanha e a França, que estavam determinadas a não conceder a nacionalização do canal e buscavam uma ação decisiva para minar Nasser. À medida que a crise se aprofundava, Eisenhower advertiu explicitamente Eden contra o uso da força militar, sugerindo que tal ação, sem esgotar as vias diplomáticas, poderia gravemente tensionar a aliança transatlântica e alterar a percepção pública nos EUA em relação aos seus aliados europeus.

Os desentendimentos pessoais e estratégicos durante a Crise de Suez demonstravam a complexidade das dinâmicas entre os líderes aliados, com Dulles e Eden particularmente em desacordo. A “relação especial” entre a Grã-Bretanha e os EUA, embora aprofundada pela colaboração durante a guerra, foi severamente testada enquanto seus líderes se confrontavam sobre o melhor curso de ação. Os eventos que se desenrolaram mostraram os desafios de alinhar interesses e estratégias nacionais entre aliados diante de uma crise internacional volátil.

O histórico de John Foster Dulles e suas convicções pessoais influenciaram profundamente sua abordagem como Secretário de Estado dos EUA. Vindo de uma linhagem de diplomatas, a mudança de carreira de Dulles, de direito corporativo para política externa, foi marcada por sua fé presbiteriana devota, que ele acreditava que deveria guiar a conduta internacional da América. Esse excepcionalismo religiosamente motivado moldou seu estilo diplomático, que, embora baseado em um sólido entendimento dos assuntos estrangeiros, frequentemente alienava seus interlocutores com seus tons moralistas. Isso era particularmente verdadeiro em suas interações com líderes britânicos, que achavam seu estilo santimonioso e ocasionalmente insincero.

Durante a Crise de Suez, as táticas de Dulles revelaram as prioridades conflitantes entre os Estados Unidos e seus aliados europeus. Ele apoiou vocalmente os objetivos da Grã-Bretanha e da França, mas resistiu a qualquer ação militar que pudesse impor esses objetivos. Dulles propôs soluções diplomáticas, como a Conferência Marítima e mais tarde a Associação dos Usuários para gerenciar o Canal de Suez, que, superficialmente, alinhavam-se aos interesses ocidentais. No entanto, sua desaprovação consistente do uso da força minou essas propostas, sinalizando a Nasser e ao mundo que os EUA não escalariam o conflito militarmente. Essa postura efetivamente convidou Nasser a descartar as iniciativas ocidentais, confiante na falta de uma ameaça militar.

A abordagem de Dulles à crise foi um complexo jogo de estratégia legal e persuasão moral, visando remodelar as operações do canal sem recorrer à força. Seus movimentos legais e diplomáticos, embora inovadores, careciam da alavanca necessária de consequências militares potenciais, o que os tornava ineficazes contra a postura firme de Nasser. Isso foi exemplificado quando Nasser rejeitou as propostas da Conferência Marítima de Londres, não vendo nenhuma ameaça real ao seu controle sobre o canal.

A situação foi ainda mais complicada pelas declarações públicas de Dulles, que frequentemente contradiziam suas intenções estratégicas, particularmente em suas interações com os aliados europeus. Seus comentários em uma coletiva de imprensa no início de outubro demonstravam uma divergência fundamental no tratamento das questões coloniais, sugerindo uma estratégia mais ampla dos EUA para se distanciar dos enredos coloniais, em contraste acentuado com a visão britânica e francesa que enquadrava a crise em termos de influência soviética e estratégias globais de contenção.

Essa divergência chegou ao ápice quando Dulles declarou explicitamente a posição dos EUA contra o uso da força na resolução da crise, uma postura que não apenas estressou a aliança atlântica, mas também destacou as percepções divergentes da ameaça soviética. Enquanto Eden e Mollet se preparavam para um confronto decisivo para contrariar a expansão soviética percebida, Dulles, e por extensão Eisenhower, viam a crise através de uma lente cautelosa de qualquer envolvimento militar que pudesse alienar as nações recém-independentes do Oriente Médio e além.

Preso entre a forte postura anti-guerra de Eisenhower e o desespero europeu por uma intervenção firme, Dulles navegou por um caminho precário que, em última análise, nem fechou as divisões transatlânticas nem evitou a escalada da crise. Sua dependência da persuasão moral e legal sobre opções militares práticas deixou as potências ocidentais sem os meios para influenciar assertivamente o resultado da crise. Esse descompasso entre a retórica diplomática de Dulles e as realidades geopolíticas enfrentadas por seus colegas europeus levou a uma profunda reavaliação dos alinhamentos estratégicos dentro da aliança ocidental, destacando os limites da influência diplomática sem a ameaça crível de força.

À medida que as tensões escalavam na Crise de Suez, o desacordo entre as democracias ocidentais apresentava uma oportunidade para a União Soviética afirmar sua influência no Oriente Médio. Com as tensões aumentando, Moscou estendeu seu apoio ao Egito, efetivamente substituindo a ajuda ocidental pela soviética para o projeto da Barragem de Aswan e aumentando os envios de armas para a região. As declarações audaciosas de Khrushchev de apoio ao Egito demonstravam a seriedade com a qual a URSS via o conflito, sinalizando uma disposição para respaldar o Egito militarmente, se necessário.

Em resposta a esses desenvolvimentos e às repetidas rejeições públicas de Dulles ao uso da força, a Grã-Bretanha e a França, sentindo-se cada vez mais desesperadas e isoladas, resolveram agir independentemente. Sua estratégia incluiu um último apelo às Nações Unidas, que inicialmente parecia fútil dado a solidariedade das nações Não Alinhadas com o Egito. No entanto, a ONU momentaneamente pareceu fornecer uma resolução quando facilitou um acordo sobre princípios para gerenciar o Canal de Suez, sugerindo uma vitória diplomática potencial. Esse otimismo passageiro foi rapidamente desfeito quando a União Soviética vetou as medidas de implementação no Conselho de Segurança, efetivamente bloqueando o processo de paz e reafirmando a impossibilidade de uma resolução diplomática sem a ameaça de força.

O colapso dos esforços diplomáticos levou a Grã-Bretanha e a França a adotar uma estratégia militar mais direta, envolvendo Israel em um plano complexo para provocar um conflito que justificasse sua intervenção. A estratégia chamava por um avanço israelense em direção ao Canal de Suez, seguido por um ultimato anglo-francês para a retirada das forças israelenses e egípcias, prevendo a recusa do Egito, o que legitimaria sua intervenção militar. Esse plano, no entanto, era transparente e mal concebido, minando a credibilidade de Grã-Bretanha e França e retratando Israel como mero instrumento de interesses coloniais.

A execução desse plano coincidiu com a eleição presidencial dos EUA, adicionando uma camada de complexidade política e provocando acusações de que o momento foi influenciado pela política eleitoral nos EUA. As ações militares que se seguiram foram tardias e indecisas, diminuindo ainda mais a estatura de Grã-Bretanha e França e complicando seus objetivos militares. Enquanto isso, os Estados Unidos, sob o presidente Eisenhower, mantiveram uma oposição firme ao uso da força, que foi articulada em uma forte repreensão à invasão tripartite. A posição de Eisenhower não era apenas uma questão de princípio, mas também uma decisão estratégica voltada a manter a ordem internacional e evitar um conflito mais amplo.

A Assembleia Geral da ONU rapidamente respondeu exigindo um cessar-fogo e discutindo a implantação de uma força de paz, um movimento que facilitou uma eventual retirada britânica e francesa, mas também demonstrou o fracasso de sua estratégia. Em contraste marcante com a retirada das potências ocidentais, a União Soviética demonstrou sua resolução ao reprimir a revolta húngara, destacando os padrões duplos geopolíticos e as limitações da influência da ONU. Essa justaposição do fracasso diplomático ocidental e da ação militar soviética marcou uma mudança significativa nas dinâmicas internacionais, exibindo as complexidades da política da Guerra Fria e os desafios de sustentar interesses estratégicos ocidentais contra um pano de fundo de nacionalismo regional e conflito ideológico global.

A crescente cisão entre aliados ocidentais durante a Crise de Suez proporcionou à União Soviética uma oportunidade estratégica de afirmar sua influência no Oriente Médio. Enquanto as tensões escalavam, Moscou estendeu seu apoio ao Egito, substituindo efetivamente a ajuda ocidental pelo apoio soviético para o projeto da Barragem de Aswan e aumentando seus envios militares para a região. A liderança soviética, encorajada pela divisão aparente entre os Estados Unidos e seus aliados europeus, emitiu uma série de comunicações ameaçadoras, ameaçando intervenção militar e até insinuando o uso de capacidades nucleares contra o Ocidente se o conflito escalasse. Essas ameaças faziam parte de uma estratégia soviética mais ampla para projetar poder e ganhar alavancagem no cenário geopolítico do Oriente Médio.

Em resposta às ameaças soviéticas e às ações militares de Grã-Bretanha e França, os Estados Unidos, sob o presidente Eisenhower, adotaram uma postura firme contra operações militares conjuntas com a URSS e quaisquer ações militares soviéticas unilaterais na região. Essa posição foi reforçada por uma crise financeira repentina na Grã-Bretanha, marcada por uma corrida ao pound sterling, durante a qual os EUA notavelmente retiveram seu apoio financeiro habitual, intensificando assim a pressão sobre o governo britânico. Diante das crescentes pressões políticas e econômicas, o Primeiro Ministro britânico Eden foi compelido a pedir um cessar-fogo, efetivamente encerrando as operações militares após menos de dois dias em campo.

As estratégias diplomáticas e militares empregadas por Grã-Bretanha e França foram amplamente criticadas por serem mal concebidas e executadas de forma desajeitada. Os Estados Unidos enfrentaram um dilema complexo: apoiar seus aliados tradicionais em seu empreendimento militar falho ou se opor a eles abertamente para defender padrões legais internacionais e potencialmente realinhar sua estratégia global em relação ao mundo em desenvolvimento. Os EUA escolheram este último, pressionando por deliberações rápidas da ONU que se concentraram apenas nas questões imediatas sem abordar as provocações mais amplas que haviam levado à crise. Essa abordagem não apenas deixou de lado as preocupações de Grã-Bretanha e França, mas também evitou qualquer crítica à repressão simultânea da União Soviética na Hungria, destacando uma inconsistência percebida nas prioridades de política externa dos Estados Unidos.

O quadro conceitual que orientou a política dos EUA durante a crise estava baseado em três crenças principais: que as obrigações americanas para com seus aliados eram legalmente definidas e limitadas; que o uso da força era aceitável apenas em auto-defesa; e que a crise apresentava uma oportunidade para os EUA se posicionarem como líder do mundo em desenvolvimento, independente das potências coloniais. Essa perspectiva influenciou as ações dos Estados Unidos nas Nações Unidas e moldou suas respostas tanto aos aliados quanto aos adversários durante a crise.

Críticos dentro dos EUA, incluindo figuras proeminentes como George Kennan e Walter Lippmann, argumentaram que a resposta americana carecia de compreensão e compaixão necessárias pelas posições de seus aliados e poderia ter sido mais solidária, mesmo que discordasse de seus métodos. Eles sustentavam que os Estados Unidos tinham um interesse investido no sucesso das ações de seus aliados, independentemente do desacordo inicial sobre a decisão de intervir militarmente.

Em última análise, a Crise de Suez destacou as complexidades da política de alianças na era da Guerra Fria, revelando tensões profundas entre abordagens legalistas das relações internacionais e as realidades geopolíticas enfrentadas pelos Estados-nação. A crise também destacou os desafios que os Estados Unidos enfrentavam ao tentar navegar seu papel emergente como líder global em meio a pressões conflitantes tanto de seus aliados europeus tradicionais quanto das nações recém-independentes do mundo em desenvolvimento.

Após a Crise de Suez, o presidente egípcio Nasser não amenizou sua postura em relação ao Ocidente ou aos estados árabes pró-ocidentais. Em vez disso, ele intensificou seus esforços contra os governos árabes moderados, contribuindo para mudanças significativas na região, como a radicalização do Iraque e da Síria. Suas ações culminaram no envolvimento militar no Iêmen e em uma eventual ruptura nas relações diplomáticas com os Estados Unidos em 1967. Essa escalada de hostilidades redirecionou o foco do radicalismo de Nasser da Grã-Bretanha para a América, à medida que os EUA assumiram posições estratégicas anteriormente mantidas pela Grã-Bretanha no Oriente Médio.

As nações não alinhadas, observando as dinâmicas da Crise de Suez, aprenderam a alavancar sua posição entre as superpotências de maneira eficaz. Elas perceberam que a pressão sobre os Estados Unidos frequentemente resultava em concessões, enquanto a União Soviética geralmente respondia com contrapressão. Essa percepção influenciou as interações do Movimento Não Alinhado com as potências globais, levando a críticas rotineiras às políticas dos EUA em suas conferências, enquanto as ações soviéticas raramente eram condenadas.

A paisagem geopolítica foi profundamente alterada pela crise. Anwar Sadat, então um principal propagandista no Egito, afirmou que a crise havia redefinido a hierarquia global, rebaixando a Grã-Bretanha e a França de seu status de grandes potências. Essa realização estimulou as nações europeias, particularmente a França, a buscar capacidades nucleares independentes como meio de garantir sua soberania e influência, independentemente do apoio americano. Esse sentimento foi ecoado por outros líderes europeus, como o chanceler alemão Adenauer, que viu a crise como um impulso para a unidade europeia como um contrapeso à dominação das superpotências dos EUA e da URSS.

Na Grã-Bretanha, a crise resultou em uma recalibragem de sua política externa, com um alinhamento maior sob influência americana, interpretando a “relação especial” com os EUA como essencial para manter algum grau de influência global. Por outro lado, a França buscou uma rota mais independente, enfatizando a necessidade de um bloco europeu capaz de se afirmar no cenário mundial sem depender excessivamente do apoio americano.

A União Soviética, vendo uma oportunidade, aumentou sua influência no Oriente Médio e apoiou o regime de Nasser, o que contribuiu para uma mudança significativa no equilíbrio de poder na região. A política externa agressiva de Khrushchev, caracterizada por confrontos com o Ocidente, foi encorajada pela percepção de fraqueza americana durante a Crise de Suez, embora essa abordagem eventualmente levasse a reveses como a Crise dos Mísseis de Cuba.

Para os Estados Unidos, a Crise de Suez marcou um ponto de virada, anunciando sua emergência como líder global dominante, mas também iniciando seu profundo envolvimento na política do Oriente Médio. Esse envolvimento foi formalizado com a Doutrina Eisenhower, que comprometeu os EUA a defender os países do Oriente Médio contra a agressão comunista. Esse compromisso expandiu as responsabilidades globais da América, preparando o cenário para futuros conflitos, incluindo a intervenção militar direta no Líbano e o envolvimento complexo e controverso no Vietnã. Essa trajetória destacou as complexidades duradouras das dinâmicas de poder global e as consequências não intencionais das estratégias geopolíticas iniciadas durante a Crise de Suez.


Você pode ler o resumo do próximo capítulo do livro clicando nesse link.


Posted

in

Comentários

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *