História dos EUA: De Jackson a Lincoln (1829-1861)

Esta imagem é um retrato formal de Andrew Jackson, o sétimo Presidente dos Estados Unidos. O retrato mostra Jackson da cintura para cima, com uma expressão séria e contemplativa em seu rosto. Seu cabelo é branco e estilizado de forma característica da época, penteado para trás e volumoso, adicionando à sua aparência distinta. Jackson está vestido de maneira formal, típica do início do século XIX. Ele usa uma camisa branca de colarinho alto, sobre a qual está amarrada uma gravata preta. Sua vestimenta externa parece ser um casaco de cor escura com um grande xale ou manto bordô rico, drapeado sobre seus ombros. A textura de suas roupas é finamente detalhada, sugerindo tecidos de alta qualidade. O fundo do retrato é escuro e discreto, focando a atenção em Jackson. Sutilezas de cor e sombreamento no fundo dão profundidade sem desviar a atenção do sujeito. O tom geral da pintura é sombrio e digno, refletindo a proeminência e o comportamento sério de Jackson.
Um retrato de Andrew Jackson por Ralph Earl. Imagem de domínio público.

Em 1824, John Quincy Adams obteve a presidência com a ajuda de uma “barganha corrupta” articulada no Congresso, apesar de ter perdido o voto popular para Andrew Jackson. Quatro anos depois, Jackson finalmente ascenderia ao poder nas eleições de 1828, com amplo apoio popular. Seu mandato marcou o início da Democracia Jacksoniana, que abraçou uma série de princípios que tornaram os Estados Unidos mais fortes e democráticos, em detrimento dos nativos americanos. Também marcou o auge do Segundo Grande Despertar, um movimento religioso com profundas mudanças sociais. Após a presidência de Jackson, as presidências de John Tyler e James Polk reforçaram o expansionismo americano, culminando na Guerra Mexicana e na duplicação do território do país. Entretanto, a expansão territorial significava que novos estados poderiam se juntar aos EUA como estados livres ou escravistas, e o debate sobre a escravidão logo se mostrou uma realidade intransponível. No final, a ascensão de Abraham Lincoln levou os Estados Unidos a caminharem rumo a uma sangrenta Guerra de Secessão, que acabaria por levar à abolição da escravidão e à dominação dos interesses do Norte no país.

A Era Jacksoniana

A eleição de Andrew Jackson refletiu o sentimento crescente de que o governo deveria ser pelo povo, não pelas elites tradicionais. Marcou o início do populismo na história americana, com o estabelecimento da Democracia Jacksoniana. Essa filosofia política proclamava certos princípios que guiaram a política americana na década de 1830 e que ainda são relevantes:

  • Igualdade: Diferente de Jefferson, que priorizava os yeomen (agricultores com pequenas propriedades rurais), Jackson acreditava no poder de todos os cidadãos, fossem eles urbanos ou rurais. Claro, a noção de cidadania na época aplicava-se principalmente a homens brancos com mais de 21 anos, excluindo assim mulheres, negros e nativos americanos.
  • Acesso à educação: Ficou claro que o sufrágio universal exigia um eleitorado alfabetizado. As organizações de trabalhadores exigiram escolas gratuitas e financiadas por impostos para todas as crianças. Graças aos esforços de políticos como Horace Mann em Massachusetts, a legislação para educação gratuita foi gradualmente promulgada. Isso levou ao estabelecimento de escolas públicas em todo o país, particularmente no Norte.
  • Rotação em cargos públicos: Jackson acreditava que os cargos governamentais não deveriam ser atribuídos indefinidamente a alguém, a fim de combater o clientelismo.
  • Governo federal forte: O Presidente ganhou o apelido de “Rei Andrew” porque expandiu os poderes do executivo. Por exemplo, ele criou o poder do presidente de vetar leis e, em 1831, até exigiu a renúncia de todos os membros de seu gabinete, exceto um. Ele não tinha medo de exercer seus poderes de forma autônoma.
  • Forças armadas fortes: Jackson valorizava as Forças Armadas e enviou tropas para expulsar os nativos americanos de seus territórios, abrindo caminho para a expansão dos assentamentos americanos para o Oeste.

A população americana e a expansão territorial trouxeram conflitos com os nativos americanos. Jackson queria movê-los à força para o Oeste do rio Mississippi, porque foi descoberto ouro perto de suas terras. Todavia, grupos evangélicos e até a Suprema Corte se opuseram aos planos do governo. Os primeiros esperavam converter os nativos americanos ao cristianismo, e a última tentou impedir que o governo invadisse as terras tribais.

Em 1830, o Indian Removal Act forneceu fundos para realocar os Cherokees e os Seminoles. No ano seguinte, o Chefe de Justiça John Marshall determinou que os nativos americanos eram “nações domesticamente dependentes” — ou seja, eles tinham a custódia de suas terras da mesma forma que um tutor tinha a custódia de um pupilo. Em teoria, a decisão da Suprema Corte estabeleceu a autonomia política para as tribos nativas. Na prática, no entanto, Andrew Jackson ignorou flagrantemente essas disposições e ordenou o deslocamento dos nativos americanos, que sofreram muito na “Trilha das Lágrimas” até o Território Indígena, no atual Oklahoma. Isso marcou um capítulo sombrio na história americana, destacando o custo da expansão para o oeste para as comunidades indígenas.

Esta imagem é um mapa ilustrando as rotas percorridas durante a Trilha das Lágrimas, a relocação forçada de tribos nativas americanas nos Estados Unidos. O mapa cobre uma ampla área geográfica, incluindo partes de vários estados: Oklahoma, Arkansas, Missouri, Illinois, Tennessee, Alabama e Geórgia. O mapa é codificado por cores para indicar diferentes rotas: rotas terrestres são marcadas com linhas azuis tracejadas, rotas aquáticas com linhas azuis sólidas e outras rotas principais com linhas verdes. Locais importantes são marcados com pontos e rotulados com nomes como Tahlequah, Springfield, Cape Girardeau, Hopkinsville, Nashville, Charleston, Memphis, Fort Smith, Evansville e Little Rock. As rotas convergem de vários pontos de partida, levando para o oeste em direção a Oklahoma, destacando a árdua jornada enfrentada pelas tribos nativas americanas deslocadas. O fundo do mapa é de uma cor bronzeada suave, proporcionando um contraste claro com as linhas das rotas. O mapa também inclui rios importantes como os rios Mississippi e Arkansas, que são marcos cruciais para entender a jornada. O texto na parte inferior lê-se “Trilha das Lágrimas Trilha Histórica Nacional”, enfatizando a importância histórica dessas rotas. Este mapa serve como um lembrete contundente do deslocamento e sofrimento suportados pelas comunidades nativas americanas durante este período.
Um mapa das várias rotas que compuseram a Trilha das Lágrimas. As rotas fluviais são mostradas em linhas azuis, as rotas terrestres são mostradas em linhas azuis tracejadas e outras rotas principais são mostradas em linhas verdes. Imagem de domínio público.

Outra questão significativa durante a presidência de Jackson foi a luta pela existência do Segundo Banco dos Estados Unidos. Estabelecido em 1791 e reconstituído em 1816, o banco era uma corporação privada com funções públicas, como estabilizar a moeda. Contudo, ele era impopular nos estados novos e entre os sulistas e ocidentais, que acreditavam que ele representava os interesses dos ricos. Jackson acreditava que o banco detinha um monopólio sobre o sistema financeiro e opunha-se à sua poderosa influência na economia. Por essa razão, em 1832, ele vetou uma renovação antecipada da lei que criava o banco e ordenou a retirada de fundos governamentais dessa instituição. Esses fundos foram, em seguida, distribuídos para bancos estaduais, conhecidos como “bancos de estimação”, pois eram associados aos amigos e aliados políticos de Jackson.

Nos anos seguintes, esse arranjo deixou a nação com um sistema econômico desregulamentado. Ele era vulnerável à instabilidade e propenso à especulação — algo que não seria resolvido até a criação do sistema de Reserva Federal em 1913. Como forma de escapar das condições econômicas em deterioração, muitos americanos migraram para o Oeste.

No final de seu primeiro mandato, em 1832, Jackson entrou em conflito com seu próprio vice-presidente, John Calhoun, no que veio a ser conhecido como a Crise da Anulação. Calhoun, um Democrata-Republicano da Carolina do Sul, e os interesses empresariais e agrícolas que ele representava, eram veementemente contra certas tarifas, que eles viam como favorecendo os fabricantes do Norte em seu detrimento. Eles esperavam que Jackson as modificasse. Apesar de uma revisão para baixo das tarifas protecionistas, a Carolina do Sul declarou que elas eram nulas e sem efeito dentro do estado e levantou uma força militar em desafio ao governo federal.

Jackson respondeu enviando navios de guerra para Charleston e emitindo uma forte proclamação contra a anulação, afirmando que a Carolina do Sul estava à beira de insurreição e traição. Ele ameaçou liderar o Exército dos EUA pessoalmente, se necessário. O senador Henry Clay, um unionista devoto, propôs uma tarifa de compromisso que reduzia gradualmente os impostos, juntamente com um Ato de Força autorizando a aplicação militar. Isolada de outros estados do Sul, a Carolina do Sul acabou por rescindir sua anulação, alegando vitória por obter muitas de suas demandas.

Por causa de suas divergências com Calhoun, Andrew Jackson realizou uma convenção partidária na qual Martin Van Buren foi escolhido como seu companheiro de chapa para as eleições presidenciais de 1832. Eles venceram facilmente essa disputa contra Henry Clay.

A partir de 1833, os Estados Unidos passaram para o seu segundo sistema partidário. Foi caracterizado pela rivalidade entre Democratas e Whigs, ambos adotando tendências populistas e evangélicas:

  • O Partido Democrata foi criado por Andrew Jackson como uma dissidência dos Democratas-Republicanos.
  • O Partido Whig foi criado pelos opositores de Jackson, como John Quincy Adams. A única coisa que os unia era sua oposição ao presidente.

Enquanto isso, a expansão territorial estava criando problemas no Texas, onde produtores de algodão americanos estavam se instalando. Como o México não estava disposto a recebê-los em seu território, eles se rebelaram contra o governo mexicano e declararam a independência do Texas em 1836. Seu presidente nomeado, Sam Houston, queria garantir a admissão no EUA, mas seus apelos foram em vão. Naquela época, o governo de Jackson relutava em provocar uma guerra com o México e havia preocupações sobre o Texas se juntar à União como um estado escravista.

Em 1836, Jackson escolheu Martin Van Buren como seu sucessor. Na época, apesar de se organizar rapidamente, os Whigs estavam muito divididos para apresentar um candidato forte à presidência, levando à vitória de Van Buren.

A nova administração teve que lidar com o Pânico de 1837: uma crise econômica massiva precipitada pela desregulamentação do sistema bancário por Jackson. Para enfrentar uma crise jacksoniana, foi escolhida uma solução jacksoniana. Martin Van Buren democratizou as proteções contra falências e aboliu as prisões de devedores. A longo prazo, isso fomentou uma cultura de risco nos Estados Unidos, com consequências duradouras para a economia. A curto prazo, entretanto, o governo não conseguiu conter a crise, e o presidente foi apelidado de “Van Ruin”. Previsivelmente, ele não conseguiu se reeleger, perdendo a presidência para William Henry Harrison em 1840. Exatamente um mês após seu mandato, Harrison morreu de pneumonia, então o vice-presidente John Tyler assumiu seu lugar.

O Segundo Grande Despertar

No final do século XVIII, muitos americanos instruídos não aderiam mais às crenças cristãs tradicionais. Em resposta a esse secularismo, um reavivamento religioso conhecido como Segundo Grande Despertar se espalhou para o oeste na primeira metade do século XIX e atingiu seu clímax durante a Era Jacksoniana. Esse reavivamento se manifestou de diferentes maneiras pelo país. Na Nova Inglaterra, inspirou ativismo social. No oeste de Nova York, levou ao surgimento de novas denominações. Em Kentucky e Tennessee, fortaleceu os metodistas e batistas e introduziu a reunião campal.

Ao contrário do fervor emocional do Grande Despertar na década de 1730, os reavivamentos no Leste durante o Segundo Grande Despertar foram marcados por silêncio calmo e respeitoso. Esse entusiasmo evangélico levou à formação de sociedades missionárias interdenominacionais voltadas a espalhar a fé no Oeste. Essas sociedades também promoveram a educação e a reforma social, como a American Bible Society, que foi fundada em 1816. O reavivamento inspirou movimentos que se opunham à venda e uso de álcool, defendiam a reforma das prisões e propunham cuidar dos doentes mentais e deficientes. Além disso, esses movimentos foram essenciais para destacar o papel das mulheres na sociedade.

O movimento de temperança pregava a abstinência de álcool e o fim dos pagamentos de salários através de bebidas alcoólicas. Surgiu das preocupações com o impacto do álcool sobre os trabalhadores, bem como a violência e o sofrimento causados pelo consumo excessivo de bebidas alcoólicas. Naquela época, as mulheres estavam confinadas a suas casas e sofriam grande abuso de maridos bêbados. Em 1826, ministros de Boston organizaram a Society for the Promotion of Temperance. Em 1833, foi formada a American Temperance Union, que clamava pela proibição do álcool. Em 1855, treze estados haviam proibido o álcool, embora essas leis fossem frequentemente contestadas nos tribunais. O movimento reduziu significativamente o consumo de álcool entre 1830 e 1860.

Os reformadores também abordaram questões nas prisões e no cuidado dos doentes mentais. Os esforços mudaram do castigo para a reabilitação nas prisões. Dorothea Dix liderou uma campanha para melhorar as condições dos doentes mentais, que muitas vezes eram confinados em condições precárias. Seus esforços levaram ao estabelecimento de hospitais para doentes mentais em nove estados do Sul entre 1845 e 1852.

Essas reformas sociais ajudaram as mulheres a perceberem seu próprio status desigual. Mulheres solteiras tinham alguns direitos legais, mas mulheres casadas perdiam suas identidades separadas perante a lei. Elas não podiam votar e sua educação era limitada. O movimento pelos direitos das mulheres começou com Frances Wright, uma palestrante escocesa, que promovia os direitos das mulheres, incluindo acesso à informação sobre controle de natalidade e divórcio. Elizabeth Cady Stanton emergiu como uma figura líder, organizando a primeira convenção de direitos das mulheres em Seneca Falls, Nova York, em 1848. A convenção produziu a “Declaração de Sentimentos”, clamando por igualdade, direito de voto e oportunidades iguais. A proeminência de Stanton cresceu à medida que ela defendia o sufrágio feminino, reconhecendo que sem o direito de voto, as mulheres nunca alcançariam a igualdade.

O oeste de Nova York, conhecido como o “Distrito Queimado” devido aos frequentes reavivamentos religiosos, viu o surgimento de Charles Grandison Finney, um advogado que se tornou pregador. Seus reavivamentos cuidadosamente planejados e anunciados ao longo das décadas de 1820 e 1830 o levaram a ocupar um cargo na Oberlin College, em Ohio. O Distrito Queimado também deu origem aos Mórmons e Adventistas do Sétimo Dia.

Na região dos Apalaches, o reavivamento assumiu características semelhantes ao Grande Despertar, centrado em torno de reuniões campais onde as pessoas se reuniam por vários dias para serviços religiosos. Essas reuniões ofereciam um refúgio da vida na fronteira e eram marcadas por danças, gritos e cantos. A maior reunião campal, em Cane Ridge, Kentucky, em agosto de 1801, atraiu entre 10.000 e 25.000 pessoas.

Esta imagem ilustra uma reunião campal metodista, um evento comum durante o Segundo Grande Despertar nos Estados Unidos. A cena é ao ar livre, em uma área arborizada, com uma grande multidão de pessoas participando da reunião. No centro, há um palco ou plataforma de madeira, elevado e coberto com um telhado simples. Nesta plataforma, vários pregadores ou oradores são visíveis, dirigindo-se à multidão. Alguns estão em pé e gesticulando apaixonadamente, indicando a natureza fervorosa da pregação. A estrutura é rudimentar, enfatizando o caráter popular desses encontros. O público é diverso, com homens, mulheres e crianças de várias idades. Eles estão vestidos com trajes da época, com as mulheres usando vestidos longos e chapéus, e os homens em calças, jaquetas e chapéus. A multidão está sentada em bancos ou de pé, com muitos ouvindo atentamente os oradores. As expressões em seus rostos refletem uma variedade de emoções, desde solenidade até entusiasmo. Ao redor da área principal, há inúmeras tendas, indicando que este é um evento prolongado onde os participantes acampam. As árvores são exuberantes e verdes, proporcionando um dossel natural sobre a cena. As cores são terrosas e naturais, com verdes das árvores e marrons do chão e das tendas. A imagem captura um momento de fervor religioso e encontro comunitário em um cenário natural sereno.
Uma reunião campal dos metodistas americanos durante o Segundo Grande Despertar. Gravura de domínio público por Dubourg.

O reavivamento se espalhou por Kentucky, Tennessee e sul de Ohio, beneficiando os metodistas e batistas. Os metodistas tinham uma organização eficiente com pregadores itinerantes que procuravam pessoas em áreas remotas. Os batistas, sem organização formal, contavam com pregadores fazendeiros que sentiam um chamado divino e fundavam igrejas. Esses métodos permitiram que os batistas dominassem os estados fronteiriços e grande parte do Sul.

O Segundo Grande Despertar teve um impacto profundo na história americana. Os batistas e metodistas cresceram em força numérica, superando as denominações dominantes durante o período colonial. A crescente diversidade dentro do protestantismo americano refletia o crescimento de uma nação em expansão. Todavia, o fortalecimento do protestantismo também aumentou a animosidade americana em relação aos imigrantes que competiam por empregos e influência política. Naquela época, europeus estavam fugindo de revoluções liberais em seu continente, e muitos deles vieram para os Estados Unidos — particularmente alemães e irlandeses.

Esses imigrantes enfrentaram hostilidade de organizações como a secreta Ordem da Bandeira Estrelada, conhecida como os “Know-Nothings”. Eles buscavam estender os períodos de naturalização e excluir imigrantes e católicos de cargos públicos. Os irlandeses eram os principais alvos da xenofobia, porque eram católicos. Eles recebiam menos do que seus colegas e eram praticamente obrigados a viver em bairros separados. Apesar desses desafios, eles tentavam manter sua cultura, buscando proteção dos democratas. Embora os Know-Nothings tenham ganhado algum poder político, o partido acabou se dividindo sobre desacordos a respeito da escravidão.

Tyler, Polk e a Guerra Mexicana

Em abril de 1841, John Tyler, um Whig da Virgínia, assumiu a presidência após a morte súbita de William Henry Harrison. Como ele não deveria ser presidente e seu poder político era fraco, ele foi apelidado de “Sua Acidência”. Os Whigs, incluindo os de seu próprio gabinete, o abandonaram após ele vetar um projeto de lei para criar um banco nacional e aumentar as tarifas. Como defensor fervoroso dos direitos dos estados, o presidente se opôs a qualquer coisa de âmbito “nacional” (incluindo um banco). Devido ao seu isolamento político, ele conseguiu realizar pouco durante seu mandato.

Um dos objetivos de Tyler era incorporar aos Estados Unidos tanto o Texas quanto o Oregon, que permaneciam, respectivamente, territórios mexicanos e ingleses, apesar de serem ocupados por americanos. Ele acreditava que o Texas poderia se juntar como um estado escravista, enquanto o Oregon como um estado livre. Para implementar seu plano, ele contava com o apoio de John Calhoun, o Secretário de Estado, que estava entusiasmado em expandir a escravidão para o Oeste. O presidente concorreu à reeleição sob o slogan “Tyler e Texas”, mas retirou sua candidatura após Andrew Jackson orquestrar para que James Polk fosse o candidato democrata.

Assim como Tyler, Polk também era um forte defensor do expansionismo americano. Primeiro, sua administração ofereceu comprar Cuba da Espanha — mas os ingleses se opuseram a isso, pois a ilha se tornaria outro estado escravista, e os espanhóis se recusaram a vendê-la. Então, a administração adquiriu o Oregon da Inglaterra, em 1846. Finalmente, Polk mirou no Texas. Ele ofereceu comprar tanto o Novo México quanto a Califórnia. Quando os mexicanos recusaram essa proposta, ele enviou o exército para a região como uma provocação. Quando alguns soldados americanos foram mortos por mexicanos, ele encontrou um pretexto para lançar um ataque contra o governo mexicano.

Como congressista, Abraham Lincoln se opôs às manobras provocativas de Polk. Ele exigiu que o governo esclarecesse se os soldados realmente foram mortos em território americano, como Polk afirmava. As “spot resolutions” de Lincoln, que pediam a localização exata das mortes, lhe renderam o apelido de “spotty Lincoln”. No entanto, as ações de Lincoln não conseguiram impedir o início da Guerra Mexicano-Americana (1846-1848).

A guerra foi politicamente divisiva, porque muitas pessoas acreditavam que era uma guerra de agressão e seu objetivo era a expansão da escravidão. John Quincy Adams, por exemplo, denunciou publicamente a tentativa de adicionar mais estados escravistas à União. Além disso, o conflito foi um campo de treinamento para oficiais que mais tarde lutariam na Guerra de Secessão.

As notícias das linhas de frente chegavam às cidades americanas em tempo recorde, graças a uma rede de coleta de notícias envolvendo barcos, diligências e os primeiros operadores de telégrafo. Esse consórcio de entidades de imprensa formaria mais tarde a Associated Press.

Esta pintura retrata a Batalha do Rio San Gabriel, um engajamento significativo durante a Guerra Mexicano-Americana. A cena é dinâmica e caótica, capturando a intensidade da batalha. No primeiro plano, um grupo de soldados americanos, vestidos com uniformes militares azuis, são vistos avançando e disparando seus rifles. Seus uniformes são detalhados com elementos como cintos, bolsas e chapéus, mostrando a vestimenta típica dos soldados durante esse período. Os soldados estão em várias poses, alguns em pé e mirando, outros agachados ou caídos, indicando o caos e o perigo da batalha. À direita, soldados mexicanos montados em cavalos, em uniformes distintivos, estão envolvidos em combate corpo a corpo com as forças americanas avançando. Os cavalos são retratados em movimento, adicionando à sensação de ação. As roupas dos soldados mexicanos apresentam cores brilhantes e detalhes intrincados, diferenciando-os das tropas americanas. O meio da cena mostra mais soldados, tanto americanos quanto mexicanos, envolvidos no conflito, com fumaça de disparos e canhões enchendo o ar. Árvores e elementos naturais no fundo fornecem um senso de localização, sugerindo um cenário rural com montanhas distantes sob um céu parcialmente nublado. As cores são vivas, com uma mistura de azuis, verdes e tons terrosos, destacando a natureza dramática e violenta da batalha.
A Batalha do Rio San Gabriel, na qual as tropas americanas obtiveram uma vitória decisiva sobre o México. Pintura de domínio público por James Walker.

Em 1847, as tropas dos EUA derrotaram o México e forçaram negociações de paz. Elas resultaram no Tratado de Guadalupe-Hidalgo, assinado no ano seguinte, que tinha as seguintes disposições:

  • Todos os territórios acima do paralelo 36 seriam transferidos para os Estados Unidos. Isso representava mais da metade de todos os territórios mexicanos, que se tornariam os estados americanos do Texas, Califórnia, Novo México, Utah, Nevada e Arizona.
  • Em troca desses territórios, os Estados Unidos pagariam 15 milhões de dólares ao governo mexicano.
  • Os mexicanos que ainda viviam nas regiões afetadas tinham a opção de se realocar para o México ou se tornarem cidadãos americanos. Cerca de 100.000 deles ficaram onde estavam. Contudo, nos anos seguintes, eles sofreram grande preconceito e tiveram dificuldades em integrar suas práticas agrárias à economia industrial e comercial dos Estados Unidos.

À medida que os Estados Unidos adquiriam territórios mexicanos, a descoberta de ouro na Califórnia em 1848 levou a uma corrida de colonos. Por causa disso, o Congresso agiu rapidamente para estabelecer governança e coletar impostos na região.

As Disputas sobre a Escravidão antes da Guerra de Secessão

A conclusão da Guerra Mexicano-Americana reacendeu debates sobre se os novos estados americanos permitiriam a escravidão ou não, intensificando as tensões que levariam à Guerra de Secessão. Os sulistas queriam que todas as terras adquiridas do México permitissem a escravidão, enquanto os nortistas abolicionistas exigiam o estabelecimento de territórios livres. Alguns moderados propuseram estender a linha do Compromisso do Missouri até o Pacífico, enquanto outros sugeriram a “soberania popular” — ou seja, deixar que os próprios colonos decidissem permitir ou não a escravidão.

Em 1846, o congressista David Wilmot, da Pensilvânia, propôs o Wilmot Proviso, segundo o qual a escravidão seria proibida em todos os territórios adquiridos do México. Entretanto, sua proposta acabou sendo rejeitada. O Texas, por exemplo, entrou para a União como um estado escravista.

Em 1848, Polk decidiu não concorrer à reeleição, e a presidência foi disputada por dois candidatos que apoiavam a extensão da escravidão: Lewis Cass, um democrata, e Zachary Taylor, um Whig. Enquanto Taylor foi eleito, dissidentes de ambos os partidos que não queriam estender a escravidão se reuniram no Partido Solo Livre, liderado por Martin Van Buren. Seu lema era “Solo livre, terra livre, expressão livre, trabalho livre e homens livres”. Eles ganharam o apoio de trabalhadores urbanos no Leste, fazendeiros no Oeste, negros livres e mulheres, recebendo quase 300.000 votos na eleição de 1848. Os sulistas tentaram desacreditar o Partido Solo Livre, aludindo à exploração dos trabalhadores nas indústrias do Norte, afirmando que os negros eram supostamente inferiores e que a escravidão era essencial para gerar riqueza.

Após a morte de Taylor no cargo, Millard Fillmore assumiu em um momento em que os políticos estavam lutando com a questão da escravidão nos territórios recentemente adquiridos do México. A Califórnia havia acabado de ser formada como um estado livre e desejava entrar nos EUA como tal, o que alteraria o equilíbrio entre estados escravistas e livres. Para lidar com essa questão, Henry Clay novamente propôs um meio-termo: o Compromisso de 1850. Ele consistia nos seguintes elementos:

  • A Califórnia seria admitida como um estado livre.
  • Em troca de 10 milhões de dólares, o Texas cederia parte de seu território ao estado do Novo México.
  • Os estados do Novo México, Nevada, Arizona e Utah seriam organizados politicamente sem qualquer menção à escravidão em suas respectivas constituições. De acordo com a noção de “soberania popular”, cada um deles poderia decidir, individualmente, permitir ou não a escravidão sob suas jurisdições.
  • O comércio de escravos seria abolido em Washington, D.C.
  • Para evitar que os escravos fugissem de seus donos, a Lei do Escravo Fugitivo determinava que escravos fugitivos deveriam ser capturados e devolvidos aos seus locais de origem, sem direito a apelar ao judiciário. Na prática, até mesmo negros livres acabariam sendo capturados como se fossem fugitivos.

Na década de 1850, a questão da escravidão dividiu os Whigs e os Democratas, levando a presidências fracas e até desacreditando a Suprema Corte. Durante a presidência de Franklin Pierce, um democrata, o governo queria acabar com o Território Indígena e transformá-lo nos estados do Kansas e Nebraska, para construir uma ferrovia transcontinental na região. O Ato Kansas-Nebraska (1854), proposto por Stephen Douglas, determinava que as respectivas populações desses estados poderiam decidir permitir ou não a escravidão. Na prática, esse arranjo invalidava o Compromisso do Missouri, pois ambos os estados estavam localizados acima da latitude de Missouri, portanto, deveriam banir a escravidão.

Após a aprovação dessa lei, Nebraska foi incorporada pacificamente como um estado livre dentro dos Estados Unidos, pois não havia escravidão lá. Todavia, algo bem diferente ocorreu no Kansas: um confronto violento ocorreu, envolvendo defensores e opositores da escravidão, no que ficou conhecido como “Kansas Sangrento” (Bleeding Kansas). No final, o Kansas foi incorporado como um estado livre, mas as tensões permaneceram altas.

O Ato Kansas-Nebraska marcou uma mudança na política dos EUA:

  • O Partido Democrata se tornou o partido da escravidão.
  • Em oposição aos democratas, o Partido Republicano surgiu como uma ampla coalizão de políticos que se opunham à escravidão e ao Ato Kansas-Nebraska, como Abraham Lincoln.
  • O Partido Americano, que congregava os Know-Nothings, simplesmente desapareceu, pois seus membros se dividiram entre nortistas e sulistas, com base em sua posição sobre a escravidão.
Um mapa dos Estados Unidos em 1856. Estados livres são mostrados em rosa, estados escravistas em cinza, o Kansas em branco e os territórios americanos em verde.

Nas eleições presidenciais de 1856, Millard Fillmore tentou recuperar o poder, concorrendo pelos Whigs, mas sua campanha marcou o fim efetivo do partido. Muitos Whigs simplesmente se tornaram republicanos, que apresentaram John Frémont como candidato. Com o slogan “Free Speech, Free Soil and Frémont” (Expressão Livre, Solo Livre e Frémont), ele defendia a não expansão da escravidão, nem mesmo sob os desejos individuais de novos estados. Tanto Fillmore quanto Frémont foram derrotados por James Buchanan, um democrata que defendia os interesses do Sul (incluindo a escravidão). Seu argumento para ser eleito era que ele poderia impedir os americanos de se envolverem em uma guerra civil. Não é preciso dizer que sua presidência acabou sendo apenas um interlúdio até o início do conflito.

Em 1857, a Suprema Corte julgou o caso de Dred Scott, um escravo que havia sido levado para um estado livre e decidiu peticionar ao judiciário por sua liberdade. Primeiro, a Corte decidiu que a Constituição dos Estados Unidos havia sido escrita por homens que viam os negros como inferiores. Portanto, os redatores da Constituição não tinham a intenção de atribuir cidadania aos afro-americanos. Dred Scott foi considerado não um cidadão, portanto, privado de direitos. Além disso, a Corte decidiu que o Congresso não tinha poder para restringir a escravidão nos estados, o que equivalia a declarar o Compromisso do Missouri inconstitucional. Esse julgamento foi comemorado pelos democratas do sul, mas condenado no norte, onde muitas pessoas comuns se uniram em oposição à Corte.

Em 1859, a incursão de John Brown ao arsenal federal em Harper’s Ferry tinha como objetivo incitar uma revolta de escravos. Brown foi capturado, julgado e enforcado, tornando-se um mártir para a causa abolicionista. Esse evento intensificou os temores do Sul e o apoio do Norte à abolição.

Na eleição presidencial de 1860, o Partido Republicano nomeou Abraham Lincoln, que se opunha à expansão da escravidão. Os democratas do sul, rejeitando a noção de soberania popular, nomearam John Breckenridge. O Partido da União Constitucional, que congregava aqueles que se recusavam a se tornarem republicanos ou democratas, nomeou John Bell. Lincoln venceu a eleição com 39% do voto popular e a maioria dos votos eleitorais, carregando todos os 18 estados livres, mas tendo poucos votos no sul. Sua vitória levou a Carolina do Sul a se separar dos EUA, mergulhando o país dividido em uma sangrenta Guerra de Secessão.

Conclusão

Antes da Guerra de Secessão, os Estados Unidos passaram por transformações profundas e tensões crescentes. A presidência de Andrew Jackson reforçou os princípios populistas e expandiu a autoridade federal, embora algumas de suas políticas, particularmente em relação aos nativos americanos e à economia, tenham gerado considerável controvérsia. O Segundo Grande Despertar catalisou reformas sociais e destacou o papel das mulheres na sociedade americana. Enquanto isso, a expansão territorial, culminando na Guerra Mexicano-Americana, intensificou o debate sobre a escravidão. Às vésperas da Guerra de Secessão, os Estados Unidos se encontravam claramente divididos entre os sulistas, que defendiam a escravidão como essencial para a economia, e os nortistas, que a desprezavam como algo desumano. Essas divisões preparariam o terreno para confrontos devastadores entre os dois grupos, que mudariam para sempre a trajetória dos Estados Unidos como uma nação independente.


Posted

in

Comentários

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *