Unificação da Itália: Resumo, Origens, Fases

Uma pintura de 1860 de Remigio Legat retratando a Batalha de Calatafimi, na qual os Camisas Vermelhas de Garibaldi lutaram contra o Reino das Duas Sicílias. Imagem de domínio público.

A unificação da Itália como um único Estado independente, um processo conhecido como Risorgimento, originou-se de uma série complexa e tumultuada de eventos que abrangem várias décadas no século XIX. Os italianos foram historicamente subjugados por potências estrangeiras e começaram a afirmar seu direito à independência em resposta a essa situação. Durante as Revoluções de 1848, houve revoltas generalizadas em apoio a princípios liberais. Como todas falharam, os revolucionários decidiram unir forças para alcançar a independência — e só depois resolver suas diferenças ideológicas. A criação da Itália foi impulsionada pelo Reino do Piemonte e seu Primeiro-Ministro Camillo Cavour. Ele conquistou apoio internacional para a independência e desencadeou uma série de guerras e levantes que finalmente a tornaram realidade em 1861 e em 1870.

Resumo do Risorgimento

  • A Península Italiana estava dividida em numerosos pequenos reinos, que frequentemente eram subjugados por potências estrangeiras — principalmente Áustria e França.
  • A França Napoleônica introduziu reformas na península e fez os italianos ansiarem por uma governança melhor.
  • Por isso, os italianos se revoltaram no contexto das Revoluções de 1848, mas foram amplamente malsucedidos, pois havia pouca coordenação entre os movimentos revolucionários.
  • A partir de 1849, muitos italianos se reuniram em torno da liderança de Camillo Cavour, o primeiro-ministro do Reino do Piemonte. Ele preparou o cenário para as fases da unificação da Itália.
  • Em 1859, a primeira fase viu a anexação do Norte da Itália pelo Piemonte, após uma guerra ao lado da França contra a Áustria.
  • Em 1860-1861, a segunda fase viu a anexação do Sul da Itália e a maior parte do Centro da Itália pelo Piemonte e a criação do Reino da Itália.
  • Finalmente, em 1870, a terceira e última fase do Risorgimento resultou na derrota do Papa e na anexação de Roma pelo Reino da Itália.
  • Após a unificação, os italianos ainda tiveram que lidar com os desafios políticos, econômicos e culturais de formar um único país a partir de muitas entidades políticas e sociedades diferentes.

Origens do Risorgimento (1796-1848)

De 1796 a 1815, a Península Italiana vivenciou uma era transformadora sob a dominação da França Napoleônica, que introduziu uma série de reformas na região. Primeiro, os franceses trouxeram uma forma centralizada de governança. Isso substituiu o mosaico de autoridades italianas locais e regionais por um governo fortalecido que permitiu uma tomada de decisão mais ágil e uma implementação eficiente de políticas públicas. Além disso, houve a introdução do Código Napoleônico, que modernizou o sistema legal. Ele aboliu privilégios feudais, introduziu igualdade perante a lei e secularizou o Estado. Finalmente, os franceses introduziram novas políticas econômicas, incluindo a promoção da indústria e do comércio. Isso representou uma mudança significativa para muitas partes do país, predominantemente agrárias e subdesenvolvidas na época.

As práticas napoleônicas eram marcadamente diferentes das práticas tradicionais dos Estados italianos fragmentados, e tiveram impacto ali mesmo após a queda de Napoleão. A partir de 1815, os italianos contrastaram a eficiente administração francesa com as falhas dos regimes absolutistas que os governavam. Essa comparação estimulou a ideia de unificação, à medida que o povo ansiava por uma governança melhor. Assim, surgiram ou ganharam força vários movimentos:

  • Os Carbonários: Era uma rede informal de sociedades revolucionárias secretas ativas na Itália, particularmente no Reino de Nápoles e no Reino da Sicília, de cerca de 1800 a 1831. Seu nome significava “produtores de carvão” e vinha do comércio de seus membros originais, que estavam envolvidos na produção de carvão e conduziam reuniões em relativa obscuridade. No contexto das Revoluções de 1820, os Carbonários conseguiram brevemente impor uma monarquia constitucional ao Rei Fernando I. No entanto, essa vitória foi efêmera. No Congresso de Laibach, as potências europeias aprovaram uma intervenção austríaca que suprimiu o movimento.
  • Liga dos Sublimes e Perfeitos Mestres: Era uma organização clandestina e revolucionária, estabelecida em 1818 por Filippo Buonarroti, sob o guarda-chuva dos grupos Carbonários. Funcionando de forma semelhante a uma Loja Maçônica, a sociedade tinha sua base em Turim, no Norte da Itália. Seu principal objetivo era alcançar a independência do domínio austríaco e, a longo prazo, provavelmente queria atingir o objetivo de seu fundador de estabelecer uma sociedade comunista. Buonarroti utilizou este grupo para orquestrar e influenciar sedições em toda a Itália. Contudo, devido à sua natureza secreta e estrutura organizacional, evidências concretas sobre suas atividades permanecem escassas.
  • Revolta Constitucional no Reino de Piemonte-Sardenha: No Norte da Itália, o Rei Victor Emanuel I comandava um regime absolutista sob influência austríaca. Em 1821, um movimento inspirado pelos Carbonários se estabeleceu como resposta às políticas opressivas e ultrapassadas do regime. Os revolucionários buscavam a formação de uma monarquia constitucional e forçaram o rei a abdicar. Ele optou por renunciar em favor de seu irmão, Charles Felix. Entretanto, o novo rei era um absolutista convicto e sua ascensão ao trono não acalmou os ânimos. Sob a pressão de poderes externos e a resistência interna da monarquia, a revolta constitucional em Piemonte acabou sendo reprimida.
  • Revolta Anti-Papal em Bolonha: Na época, Bolonha estava sob o controle dos Estados Papais, governados diretamente pelo Papa. Sua governança era tipicamente conservadora e alinhada com os interesses mais amplos da Igreja Católica, o que desafiava a atmosfera revolucionária europeia do início do século XIX. Alguns italianos se levantaram em revolta contra o Papa, mas tropas austríacas intervieram, derrubando o governo provisório que havia sido estabelecido e restaurando a autoridade da Igreja sobre a região.

Como esses movimentos acabaram falhando devido a intervenções estrangeiras, os revolucionários italianos começaram a vincular cada vez mais a ideia de constitucionalismo com a de liberdade do domínio estrangeiro — isto é, independência.

Impregnado com esse espírito, o ex-membro dos Carbonários Giuseppe Mazzini fundou o movimento Jovem Itália em 1832. Este grupo visava estabelecer uma Itália unificada e republicana, enraizada na busca pelo progresso econômico, embora o próprio Mazzini fosse anticomunista. Todavia, apesar de inspirar muitos revolucionários, as revoltas organizadas pela Jovem Itália permaneceram locais e limitadas, sem participação em massa. No exílio, Mazzini influenciou outros movimentos nacionalistas, como Jovem Alemanha, Jovem França, Jovem Polônia e Jovem Suíça. Como argumenta o historiador Eric Hobsbawm, essas organizações tiveram pouca relevância prática, mas sua importância simbólica não deve ser subestimada, pois elas “marcam a desintegração do movimento revolucionário europeu em segmentos nacionais”.

A Primeira Guerra de Independência Italiana (1848-1849)

Em 1848, a Península Italiana estava vivenciando uma forma de nacionalismo econômico-cultural. Economicamente, a maior parte da região estava atrasada em relação a outros países e seus habitantes queriam criar uma nação unificada para promover a industrialização — a única exceção era a Lombardia, que florescia na indústria da seda. Culturalmente, havia vários intelectuais moderados que defendiam reformas políticas, embora suas ações não fossem abertamente revolucionárias.

No contexto das Revoluções de 1848, o Papa Pio IX assumiu o poder e logo se viu dividido entre demandas conflitantes de conservadores e liberais. Ele nomeou um ministro iluminado, Pellegrino Rossi, para administrar os Estados Papais, e era hostil à influência austríaca na Península Italiana. Ele implementou reformas como a libertação de prisioneiros políticos e o aumento da liberdade religiosa. Por causa dessas medidas, ele inadvertidamente estimulou os revolucionários italianos, levando à Primeira Guerra de Independência Italiana.

Houve revoltas generalizadas por toda a Itália, mas nenhuma foi bem-sucedida:

  • A Lombardia aprovou uma unificação com o Piemonte, mas ambos foram derrotados pelos austríacos. O Rei Carlos Alberto do Piemonte abdicou em favor de seu filho Victor Emanuel II, que reverteu para o absolutismo com apoio austríaco.
  • Liderada por Daniele Manin, Veneza buscou independência com o apoio do Piemonte e dos rebeldes húngaros, mas acabou fracassando.
  • Em Roma, o Papa Pio IX abandonou as políticas liberais em favor do autoritarismo, o que fez os revolucionários se voltarem contra ele e estabelecerem a República Romana. No entanto, Áustria e França intervieram para restaurar o poder papal.
  • Na Sicília, uma ilha que fazia parte do Reino das Duas Sicílias, separatistas produziram uma constituição defendendo o princípio da soberania popular. O monarca reagiu oferecendo autonomia à ilha como solução de compromisso, o Ato de Gaeta, mas os rebeldes o rejeitaram. Assim, o controle sobre a ilha foi recapturado à força pelo monarca.
Uma pintura de 1876 de Napoleone Nani retratando o movimento independentista em Veneza, liderado por Daniele Manin.
Uma pintura de 1876 de Napoleone Nani retratando o movimento independentista em Veneza, liderado por Daniele Manin. Imagem de domínio público.

Os fracassos das revoltas de 1848-1849 levaram a uma mudança significativa no pensamento político italiano. Os ideais republicanos de Mazzini perderam favor. Em vez disso, emergiu um consenso de que diferentes facções políticas italianas precisavam se unir para alcançar a independência. Isso levou à proposta de uma suspensão temporária dos debates ideológicos até que a independência fosse assegurada.

Cavour e o Contexto Favorável (1849-1859)

Em 1852, Camillo Cavour tornou-se primeiro-ministro do Piemonte, navegando habilmente pela paisagem política. Ele passou a dominar a política piemontesa por meio de uma aliança (connubio, ou casamento) entre seu partido de centro-direita e as facções de centro-esquerda. Isso o equilibrou tanto contra o risco de uma ditadura monárquica quanto contra o de uma república no extremo mazziniano. Ele também modernizou o Piemonte por meio de acordos comerciais com Áustria, Bélgica, França e Grã-Bretanha, pela adoção de novas tecnologias produtivas e através de políticas anticlericais. Essas iniciativas o fizeram angariar apoio tanto de democratas quanto de republicanos e lhe permitiram angariar apoio para a independência italiana também.

De 1853 a 1856, o Piemonte participou da Guerra da Crimeia sob a influência do Rei Victor Emanuel II. Cavour aceitou se engajar nesse conflito para não se opor ao monarca e se beneficiou disso no Congresso de Paris (1856), onde foram realizadas as negociações de paz. Lá, ele expressou preocupações sobre o domínio austríaco no Norte da Itália, tentando conquistar a simpatia das potências europeias.

Além disso, ele forjou uma aliança com Napoleão III da França em janeiro de 1859, assegurando o pacto por meio de um casamento nobre franco-piemontês.

Finalmente, no front interno, ele tentou se aproximar dos patriotas italianos argumentando que apenas o exército do Piemonte era forte o suficiente para garantir a independência italiana.

As Etapas da Unificação Italiana (1859-1870)

A unificação da Itália ganhou impulso em 1859, quando Cavour provocou a Áustria com manobras militares. Os austríacos responderam com um ultimato, exigindo a desmobilização militar e a dissolução da Sociedade Nacional Italiana — uma organização que defendia as ideias do primeiro-ministro. Contudo, a recusa de Cavour a essas estipulações levou à Segunda Guerra de Independência Italiana, na qual o Piemonte lutou ao lado da França contra a Áustria.

Naquela época, o contexto internacional favorecia as ambições piemontesas:

  • A Rússia ressentia-se da falta de apoio da Áustria durante a Guerra da Crimeia.
  • A Prússia sentia-se humilhada pelos austríacos, pois havia tentado exercer mais controle sobre a Confederação Alemã.
  • A França aceitaria a expansão piemontesa para contrabalançar a Áustria.
  • A Grã-Bretanha estava disposta a fornecer apoio direto ao Piemonte, para evitar o risco de uma Itália independente se tornar um Estado-satélite da França.

Entretanto, houve picos de atividade revolucionária durante a guerra, e eles fizeram Napoleão III retirar-se do conflito. Ele temia que a Itália Central caísse nas mãos de Piemonte em vez das do Papa. Por isso, assinou um armistício com a Áustria em julho de 1859. Esse acordo cedeu a Lombardia à França (e posteriormente ao Piemonte), deixou Veneza com a Áustria, restaurou os monarcas da Toscana e de Modena e reafirmou a autoridade do Papa.

Cavour entregou sua renúncia depois que Victor Emanuel II aceitou o armistício, mas logo retornou ao poder com apoio popular. Ele então persuadiu a França a aceitar a anexação do Norte da Itália pelo Piemonte. Em particular, os piemonteses adquiriram a Toscana e a Emília em troca de ceder Saboia e Nice aos franceses — este foi o final da primeira etapa da unificação italiana.

A segunda fase do Risorgimento ocorreu quando Giuseppe Garibaldi se movimentou para ganhar controle sobre o Sul da Itália. Ele havia sido seguidor de Giuseppe Mazzini, mas rompeu com este último porque achava que uma aliança com os monarquistas do Piemonte serviria melhor à causa da independência italiana. Garibaldi reuniu um corpo de voluntários chamados “Camisas Vermelhas”e navegou para a ilha da Sicília na Expedição dos Mil. Seu objetivo era implementar uma república lá, mas ele não queria provocar uma revolução social. Em vez disso, ele estabeleceu um regime ditatorial, no qual os camponeses foram oprimidos e a instabilidade foi um fator constante. Então, ele decidiu atacar Nápoles, a parte continental do Reino das Duas Sicílias, e avançar em direção a Roma.

Suas ações foram veementemente opostas por Cavour, que queria evitar a possibilidade de uma intervenção francesa na Península Itálica a fim de preservar a autoridade da Igreja sobre os Estados Papais. O governo piemontês orquestrou uma ocupação do Centro da Itália com consentimento francês, desde que suas tropas não representassem uma ameaça ao Papa em Roma. Graças a isso, o Piemonte adquiriu tanto os territórios do Centro da Itália quanto do Reino das Duas Sicílias.

Em março de 1861, Victor Emanuel II declarou a formação do Reino da Itália independente, mas Roma e Veneza permaneceram fora de seu controle — a primeira ainda era governada pelo Papa e a segunda subjugada pela Áustria. O país era uma monarquia constitucional sob a influência de Cavour, que se esforçava para impedir o extremismo de revolucionários como Garibaldi. Todavia, o primeiro-ministro morreu em junho de 1861, assim antes do fim do Risorgimento.

Uma pintura detalhada retrata um grandioso evento histórico dentro de um salão de assembleia ornamentado, cheio de centenas de homens vestidos com trajes formais do século XIX. O foco está em uma figura central de pé em um pódio adornado com um luxuoso pano de veludo vermelho, discursando para a multidão reunida. A atmosfera é de solenidade e significado, com bandeiras italianas decorando as sacadas e as paredes do salão ricamente decorado, sugerindo um momento crucial de importância estatal, provavelmente a proclamação do Reino da Itália.
Cerimônia da proclamação do Reino da Itália e a instalação do primeiro Parlamento Italiano, pintada por Induno em 1861. Imagem de domínio público.

Em abril de 1866, em meio à Guerra Austro-Prussiana no contexto da unificação da Alemanha, a Itália alinhou-se com a Prússia. Em troca, os italianos solicitaram tanto Veneza quanto Mântua e as obtiveram após a guerra, no Tratado de Paz de Viena, em outubro de 1666. Segundo este tratado, a Áustria não só cedeu território à Itália, mas também reconheceu formalmente a existência do novo reino. No entanto, o status de Roma permaneceu em questão.

A terceira e última fase do Risorgimento ocorreu em setembro de 1870, em meio à Guerra Franco-Prussiana, também relacionada à unificação da Alemanha. Os italianos se aproveitaram da vulnerabilidade temporária dos franceses para montar uma ofensiva contra os Estados Papais. Enquanto o Segundo Império Francês desmoronava e dava lugar a uma república, a Itália anexou Roma e assim consolidou seu domínio sobre toda a Península Italiana.

Conclusão: A Itália após a Unificação

A Itália surgiu como uma monarquia constitucional centrada no poder piemontês. Embora os italianos mantivessem o controle prático sobre Roma, o status da cidade (a Questão Romana) permaneceu não resolvido até 1929, porque a Igreja se recusou a reconhecer a formação do Reino da Itália.

A Itália recém-unificada enfrentou inúmeros desafios — nomeadamente, uma economia fraca, resistência à dominação piemontesa, um sistema eleitoral restrito (apenas 2% da população votava), disparidades regionais entre o Norte industrializado e o Sul agrário, e a falta de uma cultura e identidade nacional italianas.

O Risorgimento não foi apenas uma luta política ou militar; foi uma complexa amálgama de ideias, fracassos e reestratégias. Ele possibilitou a eventual unificação da Itália, e suas lições de unidade e adaptação estratégica permanecem relevantes na compreensão da formação de nações modernas. Também foi um momento crucial na história europeia, como parte de um contexto de nacionalismo, construção de Estados e modernização que caracterizou o final do século XIX e início do século XX.


Posted

in

Comentários

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *